Renan elogia Jorge Viana e diz que “democracia ganha” com decisão do STF

08/12/201611h41 > Atualizada 08/12/201612h00

Felipe Amorim
Do UOL, em Brasília

Um dia após o STF (Supremo Tribunal Federal) decidir mantê-lo no cargo, mesmo sendo réu por peculato (desvio de dinheiro púbico), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quinta-feira (8) que a decisão do Supremo representou uma vitória da democracia e agradeceu o apoio que recebeu do vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC).

“Ganhou sobretudo a democracia, que deve muito ao trabalho e obstinação do senador Jorge Viana”, afirmou Renan, durante sessão de votações no plenário. “Aquele foi um dos momentos dramáticos e, graças à compreensão de todos, nós vencemos uma etapa muito importante da democracia brasileira”, declarou.

Viana afirmou que a situação que levou ao afastamento de Renan é diferente da que afastou o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), também pelo Supremo, e disse que o papel do vice é apoiar o mandato do titular.

“Eu procurei fazer aquilo que todo vice deve fazer: trabalhar para aquele que foi eleito possa cumprir seu mandato”, disse.

O partido de Viana, o PT, aponta o presidente Michel Temer, antigo vice da presidente Dilma Rousseff, como um dos articuladores do impeachment da petista.

Primeiro vice-presidente do Senado e substituto eventual de Renan, Viana foi um dos membros da Mesa Diretora que assinaram a decisão do Senado de desobedecer à decisão liminar pelo afastamento de Renan e aguardar o julgamento do caso pelo plenário do Supremo.

Discursos ignoram STF

Renan Calheiros abriu pontualmente a sessão de votações desta quinta-feira (8) às 10h35.

No plenário, que às 11h contava com a presença de 50 senadores, nenhum dos discursos fez menção à situação de Renan, réu no STF, ou à decisão do Supremo de não o retirar do cargo.

O processo julgado ontem no STF não foi abordado por nenhum dos oito senadores que usaram a palavra, tanto da oposição quanto da base do presidente Michel Temer.

O tema que domina o debate é o calendário de votações da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do teto de gastos públicos. O projeto congela as despesas do governo por 20 anos e tem sido criticada pela oposição porque reduziria investimentos em educação e saúde.

A PEC do Teto, que limita os gastos do governo e é considerada prioridade pelo governo do presidente Michel Temer, também está na pauta do dia, mas apenas para discussão. A votação final está marcada para a semana que vem.

O que você achou da decisão do STF de manter Renan Calheiros como presidente do Senado?

  • Certa. Ele não oferece risco, mesmo sendo réu no Senado.

  • Errada. Um réu no STF não pode ter cargo tão importante.

  • Indiferente.

VOTARResultado parcial

Ontem, o líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), anunciou ajustes no calendário de votações que ocorrerão antes do recesso parlamentar.

De acordo com Jucá, a prioridade será para a votação da PEC do Teto. “A pauta continua a mesma, mas é claro que são muitos itens e nem todos terão condições de serem votados até o dia 15. A prioridade é para a PEC.”

Por esse motivo, serão realizadas sessões deliberativas não apenas nesta quinta, mas também na sexta-feira (9) e na segunda-feira (12) para contar as sessões de discussão da PEC.

O texto ainda precisa passar por três sessões de discussão antes da votação em segundo turno, que está programada para as 10h do dia 13 de dezembro.

“O calendário ficou apertado, mas ele se conclui no dia 15 com a promulgação da PEC do teto do gasto público, que é uma conquista importante e o primeiro passo para o reequilíbrio do país”, diz Jucá.

RENAN TEVE POSTURA GROTESCA, DIZ MARCO AURÉLIO

    • Supremo mantém Renan

Na segunda-feira (5), o ministro do STF Marco Aurélio Mello determinou que Renan fosse afastado da presidência do Senado. Naquele dia, e também na terça-feira (6), Renan se recusou a receber o oficial de justiça que foi entregar a notificação da decisão. A decisão da Mesa do Senado de não afastar Renan e aguardar o julgamento foi tomada na tarde da terça-feira. Apenas ontem, o Supremo deu a palavra final sobre o caso e manteve Renan no cargo.

Na quarta-feira (7), o plenário do Supremo reuniu-se para julgar a questão. Com apoio de seis ministros, Renan permaneceu na presidência do Senado; três eram contrários a isso.

Todos os votantes, porém, concordaram que Renan fica proibido de substituir Temer no caso de viagem do presidente.

Ampliar

Veja a trajetória de Renan10 fotos

10 / 10

RENAN FICA NA PRESIDÊNCIA DO SENADO – Apenas dois dias após decisão liminar do ministro Marco Aurélio Mello ter determinado o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado, a maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu manter Renan na presidência do Senado, com a ressalva de que ele fique impedido de substituir Michel Temer como presidente da República. Votaram desta forma seis dos nove ministros que participaram do julgamento, contra três que preferiam a saída imediata do parlamentarVEJA MAIS >Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s