Por que há tantos brasileiros no SwissLeaks

Fernando Rodrigues

20/03/2015 04:00

País aparece muito bem representado no vazamento de dados do HSBC

Só Suíça, França e Reino Unido registravam mais clientes do que o Brasil na agência de “private bank”, em Genebra, do HSBC quando vazaram os dados completos da instituição, na virada de 2007 para 2008.

Eis o ranking dos países com mais clientes citados no SwissLeaks, tudo compilado pelo ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos):

1º Suíça: 11.235
2º França: 9.187
3º Reino Unido: 8.844
4º Brasil: 8.667
5º Itália: 7.499
6º Israel: 6.554
7º Estados Unidos: 4.183
8º Argentina: 3.625
9º Turquia: 3.105
10º Bélgica: 3.002

Como se observa, os 8.667 clientes brasileiros no HSBC suíço (com cerca de US$ 7 bilhões de saldo) ficam à frente de italianos e israelenses. O Brasil tem mais do que dobro de nomes na comparação com os Estados Unidos (4.183).

Por que existiu essa predileção de brasileiros por um banco como o HSBC, que nem tem uma história tão antiga por aqui? Afinal, o HSBC só entrou no Brasil para valer ao comprar o antigo banco Bamerindus, nos anos 1990.

Uma das razões que explicam esse fenômeno é o fato de o HSBC ter expandido seus negócios na década de 90, comprando alguns bancos de investimentos nos quais havia uma presença maior de brasileiros.

Em 1999, o HSBC adquiriu por cerca de US$ 10 bilhões os bancos Republic New York Corporation, nos Estados Unidos, e o Safra Republic Holding, na Europa. Ambos pertenciam ao banqueiro Edmond Safra –irmão de Joseph e Moise Safra, donos do Banco Safra no Brasil.

Durante muitos anos, os endinheirados brasileiros enxergaram na família Safra um sinônimo de segurança para guardar suas fortunas, seja no Brasil ou no exterior. Quando o HSBC assumiu as carteiras do Republic New York e do Safra Republic Holding, muitos clientes brasileiros foram juntos.

Todos os arquivos dos dois bancos vendidos por Edmond Safra foram parar na Suíça. Nesse pacote estavam as informações pessoais e financeiras de muitos brasileiros que tiveram conta há 20 anos ou mais no Republic New York e do Safra Republic Holding. Mesmo que as contas já estivessem fechadas, os dados passaram a fazer parte do acervo histórico do HSBC em Genebra. Por essa razão, alguns hoje se surpreendem as descobrir seus nomes na lista do SwissLeaks.

Os arquivos do HSBC foram furtados em 2008 por Hervé Falciani, funcionário do banco na área de informática. Ele retirou dos computadores tudo o que encontrou a respeito de clientes da instituição.

No caso do Brasil, são 8.667 nomes de pessoas que estão relacionadas a operações no HSBC de Genebra, mas que podem não ter aberto originalmente essas contas nessa instituição. Uma das possibilidades é que alguns possam ter mantido contas em outros bancos que foram comprados pelo HSBC, como os de Edmond Safra.

Leia tudo sobre o caso SwissLeaks-HSBC no Brasil

O blog está no FacebookTwitter e Google+.

Tags : HSBC SwissLeaks

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s